Onda de calor e alta de dengue em Piracicaba podem provocar desidratação em crianças; entenda


Pequenos são mais vulneráveis a viroses e perdem líquido com mais facilidade e velocidade, explica a nutricionista Daniela Soares. Alta temperatura ficou acima da média para o mês em Piracicaba
Ronaldo Oliveira/ EPTV
c☀🌡A onda de calor que provoca temperaturas na casa dos 38ºC na região de Piracicaba (SP) e a alta dos casos de dengue pode contribuir para quadros de desidratação em crianças, especialmente nas menores de 5 anos.
“A criança tem uma propensão maior à desidratação pelo fisiológico ainda estar em desenvolvimento, e essa é uma das cinco principais causas de mortalidade em crianças de até 2 anos”, explica a nutricionista e professora de nutrição do Senac Daniela Soares.
💧 O que é desidratação? Do ponto de vista médico, é uma doença com potencial de agravamento caracterizada pela baixa concentração de água, sais minerais e líquidos orgânicos no corpo, o que impede que o organismo realize suas funções. Ela ocorre quando a água eliminada pelo organismo através da respiração, suor, urina, fezes e lágrimas não é resposta adequadamente.
🦟Além do calorão, a alta dos casos de dengue e a circulação de outros vírus também aumenta o risco para os pequenos.
“Muitas vezes, a desidratação está relacionada à virose. E a criança é mais suscetível a essas viroses”, afirma Daniela. “Nesse caso de contaminação de virose ou até mesmo da dengue, você tem vômito e diarreia, que levam à desidratação”.
📲Receba no WhatsApp notícias da região de Piracicaba
Aedes aegypti
Reprodução
Por isso, a nutricionista explica que exposição às viroses em meio a uma onda de calor representa um risco duplo à desidratação. Isso ocorre em qualquer faixa etária, mas o organismo em desenvolvimento é mais vulnerável. 👶🧒
“As crianças têm uma velocidade aumentada da perda deste líquido. Então, além de ser mais fácil, a perda também é mais veloz”, diz Daniela.
🔥 Calorão
Entenda: no início desta semana, o Instituto Nacional de Metereologia (Inmet) emitiu alerta de perigo por conta de uma onda de calor na região que deve durar ao menos até o fim de semana. A onda de calor ocorre quando a temperatura fica cinco graus acima da média por um período de, no mínimo, cinco dias.
As temperaturas elevadas podem gerar uma série de riscos à saúde. 🌡 No geral, a orientação dos especialistas é se hidratar e evitar praticar exercícios ao ar livre ou exposição ao sol nos horários mais quentes.
LEIA TAMBÉM
🌡️☀️Onda de calor: entenda por que altas temperaturas elevam riscos de AVC e infarto em diabéticos e hipertensos
Levantamento da USP aponta que ondas de calor estão cada vez mais frequentes em Piracicaba
Termômetro registra temperatura de 33ºC em rua de Piracicaba (SP)
Claudia Assencio/g1
👴🧓 Além das crianças, idosos também são mais suscetíveis a quadros de desidratação tanto pela diminuição da capacidade do organismo de absorver água quanto por outras condições, como insuficiência renal, diabete e uso de muitos medicamentos.
Em bebês e crianças menores, há sinais que podem indicar um quadro de desidratação: moleira afundada, irritação em excesso, sonolência, choro sem lágrimas e, tanto para os pequenos quanto para os idosos, pouca urina e com cheiro forte, pois o líquido fica mais concentrado. Confira abaixo os sintomas gerais.
Sede exagerada
Boca e pele secas
Dor de cabeça
Ausência ou baixa produção de lágrimas
Baixa produção de suor
Sonolência
Tontura
Fraqueza
Cansaço
Aumento da frequência cardíaca
Falta de elasticidade na pele
Cãibras
Frutas, verduras e legumes podem substituir petiscos industrializados
Reprodução/EPTV
🤔 Como prevenir
A nutricionista Daniela explica que para prevenir casos de desidratação é preciso pensar na reposição de sais minerais, e não apenas de líquidos. Esses sais, essenciais para a manutenção das reações químicas do metabolismo, são encontrados em alimentos de origem vegetal, que também são riscos em água. 🍉🥬🥥
“Em frutas, por exemplo: melancia, melão, abacaxi, laranja, morango. Em alguns legumes, como abobrinha, chuchu, pepino e alface. Podemos também utilizar sucos naturais, feitos com essas mesmas frutas, ou até mesmo água de coco e soro caseiro, feito com um litro de água, duas colheres de sopa e uma colher de chá de sal para repor os eletrólitos”, orienta.
⚠ Daniela também faz um alerta: nem todo líquido ingerido hidrata. ☕ Café, bebida alcoólica e, no caso das crianças, refrigerantes também são fatores de risco para a desidratação.
“É um líquido ‘do mal'”, brinca. “O refrigerante tem alguns aditivos químicos que provocam reações dentro do metabolismo que acabam desidratando ao invés de hidratar”, explica.
📚 Nas escolas
Esses cuidados não cabem só aos pais e responsáveis: as escolas, onde as crianças passam boa parte do dia, também precisam ficar em alerta para possíveis casos de desidratação. Para evitar esses casos, o planejamento alimentar deve priorizar refeições leves. 🍽
“O alimento, quanto mais perecível, maior o risco de estragar. Embora o leite e o iogurte sejam alimentos legais pra pensarmos na hidratação, caso fique mal armazenado, pode provocar uma virose”, alerta Daniela. 🥛
Também existem outras medidas. 🍃 Salas com boa ventilação natural, bebedouros à disposição em diversos pontos, toldos ou estruturas para proteger da exposição solar, cancelamento de aulas de educação física em horários de exposição solar intensa e até mesmo incentivo dos professores.
“Incentivar o uso de roupa leve e a ingestão de água, os professores têm que lembrar que essas crianças precisam tomar água, e não é um volume grande de uma vez: a gente sempre trabalha o fracionamento dela durante o dia. Então é importante, por exemplo, incentivar o uso de garrafinhas, que pode até ser de algum personagem ou desenho animado que a criança goste”, orienta Daniela.
VÍDEOS: Tudo sobre Piracicaba e região
Veja mais notícias da região no g1 Piracicaba

Adicionar aos favoritos o Link permanente.